22 de fevereiro de 2017

São Paulo vence o São Bento, mas sofre mais que o necessário

|0 comentários
Com dois gols de Pratto, São Paulo sofre, mas vence o São Bento

O São Paulo já tem um novo candidato a ídolo. Lucas Pratto precisou de dois jogos para cair nas graças da torcida e mostrar o quão importante ele pode ser para a equipe nessa temporada. O centroavante argentino correu, deu assistência de calcanhar, mostrou a determinação que agrada qualquer um no futebol e ainda marcou dois gols desta terça-feira, no estádio do Morumbi. A noite de Pratto, porém, assim como no último sábado, correu um sério risco de acabar com um sabor amargo, já que o São Bento endureceu o confronto, saiu na frente e chegou a empatar o placar depois de levar a virada. Um pênalti duvidoso sofrido por Chavez e convertido por Cueva aos 41 minutos do segundo acabou confirmando a vitória são-paulina por 3 a 2.

Os três pontos levam o Tricolor Paulista ao quinto jogo seguido de invencibilidade e aos 10 pontos no Campeonato Paulista após cinco rodadas, que lhe dão a liderança do Grupo B. Por outro lado, o time de Sorocaba, segue na lanterna do Grupo C e da classificação geral do Estadual, com apenas um ponto conquistado.

Mas, como Marco Aurélio Cunha costuma dizer, partida no Morumbi à noite, com pouco público e São Paulo muito favorito é sinônimo de problema. E mais uma vez a história se repetiu. Sonolento e desorganizado em campo, o Tricolor demorou para se encontrar. O São Bento, para o espanto de todos, começou bem o jogo e dando alguns sustos da ainda frágil defesa são-paulina.

E o que ninguém esperava aconteceu. Escanteio pela direita, Rodrigo Caio falhou e Pitty, de 1,90m, cabeceou sem chances para Sidão e abriu o placar. O gol atordoou os comandados de Rogério Ceni, que nos minutos seguintes repetiram os erros na saída de bola e deixaram os torcedores angustiados nas arquibancadas.

Aos poucos, o jogo do São Paulo foi encaixando. Demorou, mas engrenou. Muito por conta de Lucas Pratto. Na primeira finalização certa do time, aos 27, o argentino aproveitou cruzamento de Luiz Araújo e, de peixinho, empatou o duelo. A bola ainda bateu no travessão antes de entrar para dar mais plasticidade ao lance.

Antes do intervalo, o camisa 14 saiu da área para abrir espaço a Cícero, que infiltrou e por pouco não marcou o segundo. Na sequência, de novo Pratto mostrou que é mais do que um centroavante goleador. De calcanhar, o ex-jogador do Galo confundiu toda a zaga adversário e deixou Cueva livre para virar o jogo, mas o peruano desperdiçou uma oportunidade incrível antes do intervalo.

Na volta dos vestiários, o camisa 10 retribuiu a gentileza logo aos 2 minutos, mas Pratto, cara a cara com o goleiro, também falhou e retardou a virada, que a essa altura já se mostrava inevitável. Com fome de bola, o novo xodó da torcida tricolor se redimiu em seguida. Junior cruzou da esquerda e Pratto usou sua força para ganhar dos zagueiros no alto e cabecear sem chance para Rodrigo Viana.

Diferentemente da etapa inicial, o segundo tempo correu conforme as expectativas para o confronto antes da bola rolar. O São Paulo amassou o São Bento no seu próprio campo de defesa e, apesar de não viver uma noite muito inspirada ou criativa, criou algumas boas oportunidades de ampliar sua vantagem e ‘matar’ o jogo. Isso só não aconteceu porque Cueva estava ‘zicado’. O peruano teve mais duas chances claras no jogo, de frente para o gol. Uma parou na boa defesa de Viana e a outra carimbou o travessão do goleiro.

E a ineficiência por pouco não custou caro. No único contra-ataque que o São Bento conseguiu armar, Régis recebeu na esquerda, aproveitou a bagunça no setor defensivo do São Paulo, passou por Bruno, driblou Maicon e fuzilou Sidão. Um golaço e um verdadeiro balde de água fria no Morumbi.

Sorte do time da casa e de Cueva, que aos 41 minutos o árbitro Vinicius Furlan interpretou uma disputa por espaço entre Chavez e Pitty dentro da área como pênalti. Após uma mini-conferência na marca da cal, Cueva ignorou os pedidos da torcida por Pratto, bateu e decretou a virada do São Paulo e sua redenção no jogo. Nos minutos finais, a torcida da casa ainda passou agonia com um bate-rebate dentro da área são-paulina.

Agora, as duas equipes voltam a campo no sábado pelo Paulistão. A equipe de Rogério Ceni visita o Novorizontino às 19h30, no estádio Jorge Ismael de Biasi, enquanto o São Bento receberá o Red Bull mais cedo, às 17h00, em Sorocaba, no estádio Walter Ribeiro.


MELHORES MOMENTOS:

 


FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 3 X 2 SÃO BENTO

Local: Estádio Cícero Pompéu de Toledo, no Morumbi, em São Paulo
Data: 21 de fevereiro de 2017, terça-feira
Horário: 20h30 horas (de Brasília)
Árbitro: Vinicius Furlan
Assistentes: Rogério Pablos Zanardo e Daniel Luis Marques
Cartões amarelos: SÃO PAULO: Cícero. SÃO BENTO: Gabriel Santos, Denner, Pitty
Renda: R$ 339, 959,00.
Público: 14.011 torcedores

GOLS:
SÃO PAULO: Lucas Pratto, aos 27 minutos do 1T e aos 4 minutos do 2T. E Cueva, aos 41 minutos do 2T
SÃO BENTO: Pitty, aos 8 minutos do 1T, Régis, aos 31 minutos do 2T.

SÃO PAULO: Sidão, Buffarini, Rodrigo Caio, Maicon e Junior (Bruno); João Schmidt, Thiago Mendes, Cícero e Cueva (Araruna), Luiz Araújo (Chavez) e Lucas Pratto
Técnico: Rogério Ceni

SÃO BENTO: Rodrigo Viana; Leandro Melo (Magrão), Pitty, Gabriel Santos e Denner; Fábio Bahia, Itaqui, Giovanni (Rodrigo Dantas) e Régis Souza; Renan Mota e Guilherme Queiroz (Bebeto).
Técnico: Paulo Roberto Santos

18 de fevereiro de 2017

São Paulo cede empate no Morumbi na estréia de Pratto

|0 comentários

A festa estava programada, o Morumbi estava cheio, mais de 43 mil pagantes vieram para noite de estréia de Lucas Pratto, que fez o primeiro jogo com a camisa tricolor.

O São Paulo começou a partida jogando bem, controlando as ações e não demorou para abrir o placar, Pratto estreante da noite contou com a sorte para marcar o primeiro gol no Morumbi, o primeiro dele com a camisa tricolor. Bruno cruzou da direta, a bola desviou no marcador e Pratto subiu mais alto para abrir o placar no Morumbi.

Depois do gol, o Soberano teve duas oportunidades para ampliar o marcador, as duas no pés do jovem Luiz Araujo, porém, ambas não terminaram em gol. O Mirassol tentava escapar nos contra-ataques e tentava levar algum perigo, mas o lance mais perigoso do Mirassol, foi em uma bola recuada de Maicon com a cabeça, que quase encobriu o Sidão.

No segundo tempo, o time do interior voltou melhor e controlou mais as ações, aos 4 minutos depois de bobeira na zaga tricolor, Tony cruzou e achou Xuxa que empurrou para o fundo do gol, mas estava impedido. O São Paulo tentava se reencontrar no jogo e conseguiu, aos 7 minutos, Maicon cruzou da direita e achou Rodrigo Caio que de cabeça  fez São Paulo 2 x 0. Daí em diante o jogo ficou morno, o tricolor dominou a partida e tocava a bola de um lado para o outro. Tudo parecia terminar em um final feliz, porém, aos 30 minutos, depois de um chutão do goleiro do Mirassol a bola sobrou para Maicon, que vacilou e perdeu a bola na entrada da área para Raphael Lucas diminuir 2 x 1.

Depois do gol, o jogo ficou dinâmico, o Mirassol começou a gostar da partida e o São Paulo tentava fazer mais gols, aos 45 o São Paulo faria o terceiro, depois de cruzamento da direita, Pratto fez um corta luz e o zagueiro do Mirassol fez gol contra, porém o auxiliar assinalou impedimento do atacante Tricolor.


Aos 46 veio o castigo, o Mirassol atacou pelo lado direito e depois de um bom cruzamento, Bruno não conseguiu afastar e Xuxa empatou o jogo. 

O tricolor volta a campo na próxima terça-feira, dia 21/02/2017 contra o São Bento no Morumbi.


Melhores Momentos:

 

16 de fevereiro de 2017

São Paulo vira em cima do Santos na Vila, acaba com jejum e embala

|0 comentários
Luiz Araujo entrou no segundo tempo e decidiu a partida

Famoso por ter na base a sua grande força, o Santos sentiu o próprio veneno nesta quarta-feira. Foram 14 anos sem derrota para o São Paulo na Vila Belmiro no Campeonato Paulista. Desde 2009 o alvinegro não caia diante de seu torcedor para o rival Tricolor. Dessa vez, porém, uma cria da casa são-paulina resolveu mudar o rumo dessa história. Luiz Araújo, de apenas 20 anos, uma das esperanças do São Paulo para o futuro, entrou no segundo tempo para ser o nome do clássico válido pela 4ª rodada do Estadual. Dos pés da revelação de Cotia saíram dois gols e a confirmação da virada por 3 a 1. Antes, Rodrigão abrira o placar em linda jogada de Vitor Bueno, Cueva, de pênalti, igualou ainda no primeiro tempo.

O fim da invencibilidade do Peixe na temporada culminou na manutenção da liderança do Mirassol no Grupo D, com nove pontos. O Santos estaciona nos seis, assim como a Ponte Preta, mas fica em segundo graças ao seu saldo de gols. O Osasco é o lanterna, com quatro pontos conquistados.

O São Paulo, por outro lado, abriu mais vantagem na ponta do Grupo B, agora com seis pontos. Linense vem logo atrás com três a menos. Red Bull Brasil e Ferroviária, com um ponto cada, dividem a lanterna.

E o San-São começou com novidades. Em seu primeiro clássico oficial, Rogério Ceni decidiu entrar com Buffarini ao invés de Bruno e trouxe Cueva para lhe fazer companhia na direita, talvez na tentativa de conter o forte lado esquerdo santista, que tem Zeca, Lucas Lima e Vitor Bueno caindo pelo setor. Na frente, Ceni apostou em Neilton, cria da base alvinegra, na vaga de Luiz Araújo.

O problema é que na prática as coisas não funcionaram como o novato treinador imaginava. Logo aos 10 minutos, Vitor Bueno deixou o lateral argentino do São Paulo no chão e colocou a bola na cabeça de Copete. 1 a 0 Peixe.

O gol mudou o panorama tático da partida. O Santos, propositalmente, deu campo ao rival e recuou sua marcação para apostar na saída rápida. Restou ao São Paulo tocar a bola e tentar encontrar um meio de furar o bloqueio santista. Nesse ponto, Neilton, sempre perseguido pelos torcedores na Baixada, decepcionou.

Mas, a dez do intervalo, Zeca deslocou Gilberto dentro da área no momento que o centroavante saltava para tentar um cabeceio. Pênalti infantil o campeão olímpico que Cueva não desperdiçou e deixou tudo igual antes de iniciar uma confusão generalizada. O motivo foi o gestão de mão no ouvido em direção às arquibancadas.

O empate comprovou um primeiro tempo equilibrado, com poucas chances de lado a lado e um duelo tático intenso e disciplinado. Rodrigão ainda teve uma grande chance depois de uma sobra de bola, mas errou o alvo frente a frente com Sidão.

Como era de se esperar, Neilton não voltou para a etapa final. Luiz Araújo retomou sua posição. Porém, foi o ataque do Santos que assustou primeiro. Sidão deu a bola no pé de Thiago Maia e só não se tornou vilão porque João Schmidt se antecipou a Rodrigão e evitou o gol. Restou ao pupilo de Rogério Ceni agradecer e pedir desculpas ao time.

O lance, no entanto, não era nenhum presságio do que estaria por vir. O time da Capital seguiu com mais posse de bola, empurrando o Santos para o seu campo. O Peixe se viu em apuros e os jogadores começaram a demostrar irritação. O retrato do jogo ficou explícito aos 10 minutos. Lucas Lima dormiu no ponto e perdeu a bola para Thiago Mendes. Gilberto ligou Luiz Araújo, que correu cerca de 20 metros, livre, antes de driblar Vladmir e calar a Vila Belmiro. Era a virada Tricolor.

As entradas de Bruno Henrique de um lado e Araruna do outro anunciaram o que seriam os minutos seguintes. Enquanto os mandantes tentavam, apesar da pouca inspiração, pressionar, os visitantes administravam e tocavam a bola de forma angustiante tanto para os torcedores quanto para os atletas santistas.

E a situação ficou ainda mais dramática aos 26. Isso porque Sidão mostrou que seu reflexo está apurado ao defender cabeçada de Rodrigão. No contra-ataque, Cueva fez o que quis com a exposta defesa do Santos e só rolou para o jovem Luiz Araújo matar o jogo com mais um gol. Victor Ferraz, a essa altura, já era meia. Opção que custou caro ao Peixe.

Mais do que os três pontos, a festa dos são-paulinos após o apito final se justifica. Fim de um longo jejum na Vila Belmiro, terceira vitória seguida da equipe depois de mais de um ano e, acima de tudo, a expectativa de um ano promissor. Por outro lado, fica o sinal de alerta para Dorival Júnior. Além da derrota, a forma como o Santos se portou em campo frente a um grande rival é o que mais chamou a atenção. E se o estádio não pôde receber torcedores do São Paulo por causa da determinação da Secretaria de Segurança do Estado, o som que marcou o fim do jogo foi o das vaias para os santistas, principalmente em cima de Lucas Lima, apagado e substituído no clássico.

Agora, ambos os times voltam a campo no sábado, às 19h30. O Alvinegro Praiano recebe a Ferroviária de novo na Vila Belmiro, enquanto o São Paulo enfrenta o Mirassol também diante de seu torcedor, no Morumbi.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 1 X 3 SÃO PAULO

Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 15 de fevereiro de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 horas (de Brasília)
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araújo
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho e Bruno Salgado Rizo

Cartões amarelos: SANTOS: Zeca, Rodrigão. SÃO PAULO: Thiago Mendes, Neilton, Cueva, Cícero
Público: 11.320 torcedores
Renda: R$ 455.425,00

GOLS:
SANTOS: Copete, aos 10 minutos do 1T.
SÃO PAULO: Cueva, aos 36 minutos do 1T, e Luiz Araújo, aos 10 e aos 27 minutos do 2T.

SANTOS: Vladimir; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Yuri e Zeca; Thiago Maia, Leandro Donizete (Bruno Henrique), Vitor Bueno e Lucas Lima (Thiago Ribeiro); Copete e Rodrigão (Rodrigão).
Técnico: Dorival Júnior

SÃO PAULO: Sidão, Buffarini, Rodrigo Caio, Maicon e Junior; João Schmidt, Thiago Mendes (Araruna), Cícero e Cueva (Bruno), Neilton e Gilberto.
Técnico: Rogério Ceni


12 de fevereiro de 2017

São Paulo goleia a Ponte no Morumbi lotado

|0 comentários
Na estréia de Rogério no Morumbi como treinador São Paulo vai muito bem

Antes da bola rolar, uma cena curiosa chamou atenção. Rogério Ceni foi recebido com o tradicional cântico de “…É o melhor goleiro do Brasil” vindo das arquibancadas, que preferiram ignorar a aposentadoria do ídolo. Apesar de toda a euforia pré-jogo, o São Paulo não conseguiu impor a pressão sobre seu adversário da forma com seu torcedor imaginava ou gostaria. Apesar de um domínio maior da posse da bola, os comandados de Rogério Ceni tinham muita dificuldade em chegar próximo ao gol defendido por Aranha. Nada que diminuísse a empolgação nas arquibancadas. Até laterais eram comemorados.

O que talvez nenhum são-paulino previa é que a Ponte Preta fosse abrir o placar logo em seu primeiro ataque. Uma bobeada de Thiago Mendes no meio campo e uma falha de Sidão na hora de espalmar a bola culminaram a rede balançando.

O baque no estádio foi assustador. Antes vibrante, o Morumbi se calou. Sentiu o gol junto com o time. Pior que isso. Poucos minutos depois do gol, a Macaca assustou mais uma vez, em novo contra-ataque, mas dessa vez Sidão foi bem ao barrar uma bonita finalização de Lucca. Foi o suficiente para a impaciência dos torcedores com cada erro da equipe aparecer de repente.

Sorte do São Paulo que o gol só fez a Ponte Preta se retrair ainda mais e também de ter um meia que, quando está inspirado, pode carregar o time. O Tricolor não fazia uma boa apresentação, batia cabeça no meio de campo. Foi quando o peruano resolveu mudar a história da partida.

Primeiro, o camisa 10 deixou Gilberto de frente para Aranha, acreditou na jogada, e empatou aproveitando rebote do ex-goleiro de Santos e Palmeiras. Mais que a felicidade pelo gol, a sensação dos tricolores foi de alívio. Dez minutos depois, Cueva se mostrou entrosado com Gilberto e repetiu a assistência. Dessa vez o centroavante não perdoou e virou o duelo.

Era a tranquilidade que o São Paulo precisava para ser fatal na etapa final. O domínio da equipe nos últimos 45 minutos cresceu, mas dessa fez de forma efetiva. A Ponte, por outro lado, voltou apática. E pagou um preço alto por isso.

Thiago Mendes, que falhou no gol da Macaca, iniciou sua recuperação deixando Luiz Araújo na cara do gol. O jovem parou em Aranha. Mas, depois de bela jogada de Bruno pela direita, a bola sobrou para o volante, que foi às redes com um belo chute colocado, de canhota. E ainda haviam torcedores comemorando quando o São Paulo chegou de novo pela direita. Dessa vez Luiz Araújo foi bem, entortou Fábio Ferreira e serviu Gilberto, que fez seu segundo gol no jogo e deu seu recado a Rogério Ceni.

A goleada foi construída com meia hora de partida para ser disputada ainda. Então, deu tempo para o técnico são-paulino fazer a alegria da torcida colocando Lugano na vaga de Cícero, os jogadores puderam sentir o sabor de ouvir o famoso “olé” a cada toque na bola e, para fechar o domingo com chave de ouro, Gilberto marcou mais um gol, seu terceiro, o quinto do São Paulo, em um lance bizarro após cobrança de escanteio, que evidenciou o abatimento da Macaca em campo. Nem mesmo um gol de Lucca no fim da partida ofuscou o massacre tricolor neste domingo.

Embalado pela segunda vitória seguida, a primeira no Paulistão com direito a goleada e estádio cheio, e diante da expectativa das estreia de Jucilei e Lucas Pratto, o Tricolor agora se prepara para encarar o Santos, na Vila Belmiro, quarta-feira, às 21h45. Já a Ponte Preta terá de buscar uma reação jogando novamente fora de casa. No mesmo dia, mas às 19h30, a equipe campineira pega o Botafogo, em Ribeirão Preto, no estádio Santa Cruz.

MELHORES MOMENTOS:

 


FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 5 X 2 PONTE PRETA
Local: Estádio Cícero Pompéu de Toledo, no Morumbi, em São Paulo
Data: 12 de fevereiro de 2017, domingo
Horário: 17h00 horas (de Brasília)
Árbitro: Thiago Duarte Peixoto
Assistentes: Marcelo Van Gasse e Alex Ang Ribeiro
Cartões amarelos: SÃO PAULO: Cícero. PONTE PRETA: Kadu, Nino
Público: 50.952 torcedores
Renda: R$ 1.312.376,00

GOLS:
SÃO PAULO: Cueva, aos 32 minutos do 1T. Gilberto, aos 43 minutos do 1T e aos 12 e aos 24 minutos do 2T. E Thiago Mendes, aos 11 minutos do 2T.
PONTE PRETA: Matheus Jesus, aos 21 minutos do 1T, e Lucca, aos 38 minutos do 2T.

SÃO PAULO: Sidão, Bruno, Rodrigo Caio, Maicon e Junior; João Schmidt, Thiago Mendes (Araruna), Cícero (Lugano) e Cueva (Shaylon), Luiz Araújo e Gilberto.
Técnico: Rogério Ceni
PONTE PRETA: Aranha, Nino, Kadu, Fábio Ferreira e Jeferson (Artur); Naldo, Jádson e Matheus Jesus (Yago); Pottker, Clayson (Lins) e Lucca.
Técnico: Felipe Moreira

Jucilei é mais um reforço para a temporada 2017

|0 comentários
Volante foi oficialmente confirmado nesta manhã

Após a contratação do artilheiro Lucas Pratto, o Tricolor acertou neste final de semana mais um reforço para a temporada de 2017: o volante Jucilei. Atuando no exterior desde 2011, o jogador vem por empréstimo do Shandong Luneng-CHI com contrato válido até o final do ano. O meio-campista chega ao São Paulo para fortalecer ainda mais a equipe de Rogério Ceni nas disputas do Campeonato Paulista, da Copa do Brasil, da Sul-Americana e do Campeonato Brasileiro.

"A chegada do Jucilei representa mais um salto de qualidade no elenco e reafirma o compromisso dessa gestão de entregar um plantel forte à nossa comissão técnica enquanto reconstrói as bases do clube. Trata-se de um jogador que já demonstrou sua qualidade técnica e trará muitas possibilidades ao Rogério Ceni. Que ele tenha muito sucesso e nos ajude a escrever mais capítulos da nossa vitoriosa história", afirmou o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva.

Aos 28 anos, Jucilei obteve destaque no cenário nacional atuando pelo Corinthians, quando foi eleito o melhor volante do Campeonato Brasileiro de 2010 e acabou convocado para defender a Seleção Brasileira, então comandada pelo técnico Mano Menezes.

As boas atuações do jogador despertaram o interesse do Anzhi, da Rússia, que acertou a sua contratação em 2011. O atleta atuou no futebol russo durante duas temporadas e depois foi negociado com o Al-Jazira, dos Emirados Árabes.

Em 2015, após um pedido do técnico Cuca, o Shandong Luneng anunciou a chegada de Jucilei, que jogou no futebol chinês nas últimas duas temporadas.

O jogador, que está mantendo a forma no Brasil há quase um mês, fez exames médicos e seguirá a programação da comissão técnica antes de ficar à disposição do técnico Rogério Ceni. Vale lembrar que além do volante e do goleador argentino, o clube contratou Sidão, Cícero, Neilton e Wellington Nem para fortalecer a equipe em 2017.

JUCILEI

Nome completo: Jucilei da Silva
Data de nascimento: 06/04/1988 (28 anos)
Local de nascimento: São Gonçalo-RJ
Posição: volante
Altura: 1m86
Peso: 82kg

Clubes: GESB (2006-07), Canoas (2007), J. Malucelli (2008-09), Corinthians (2009-2011), Anzhi-RUS (2011-2013), Al-Jazira-EAU (2014-2015), Shandong Luneng-CHI (2015-2017) e São Paulo (desde 2017)

Títulos: Campeonato Paranaense Sub-20 (2008)

Seleção Brasileira: Superclássico das Américas (2010)

Premiações: Melhor volante do Campeonato Brasileiro (2010) e Melhor volante da Bola de Prata (2010)


11 de fevereiro de 2017

Lucas Pratto acerta com o São Paulo o matador finalmente chegou

|0 comentários

Titular da Seleção Argentina, Lucas Pratto assinou com o São Paulo um vínculo válido por quatro temporadas


Um dos mais respeitados e goleadores atacantes do futebol sul-americano, Lucas Pratto é o novo reforço do São Paulo. Titular da Seleção Argentina e cobiçado por diversos clubes, o centroavante que estava no Atlético-MG acertou nesta sexta-feira (10) com o Tricolor um vínculo válido por quatro anos – até o final de janeiro de 2021.
Eleito o melhor jogador do Campeonato Argentino de 2014 e presente na seleção do Campeonato Brasileiro de 2015, o artilheiro chega ao São Paulo para fortalecer ainda mais a equipe do técnico Rogério Ceni, que após o título da Florida Cup, em janeiro, tem durante a temporada as disputas do Campeonato Paulista, da Copa do Brasil, da Sul-Americana e do Campeonato Brasileiro.
“Estamos trazendo um dos melhores atacantes do continente, titular da Seleção Argentina e possivelmente uma figura de destaque na próxima Copa do Mundo. No passado, quando eu disse que faria o possível pra trazer reforços do nível do Pratto, meu desejo era exatamente ele, mas sabia que dentro de nossa responsabilidade precisaria de uma gestão que me desse essa condição. Conseguimos. É motivo de muita alegria e satisfação. Fizemos um investimento importante, mas planejado e só possível porque o São Paulo está conduzindo um programa de recuperação financeira. É a prova inconteste de que a Diretoria considera a saúde financeira um dos pilares para um futuro promissor, mas jamais deixará de lado o futebol”, diz o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva.
Revelado pelo Boca Juniors e com passagens pelo futebol europeu, o atacante de 28 anos se destacou pela primeira vez na América do Sul atuando na Universidad Católica, onde conquistou o Campeonato Chileno de 2010. Na sequência, no Veléz Sarsfield, foi uma das principais referências do clube argentino, que sagrou-se campeão nacional (2012/13) e da Supercopa (2013).
Pratto foi contratado pelo Atlético Mineiro em 2015 e em pouco tempo tornou-se um dos principais ídolos do clube. Em Minas Gerais, o atacante manteve a pontaria afiada e foi uma das referências da equipe: em 105 jogos, balançou as redes 42 vezes e deu 16 assistências. Atuando no Brasil foi convocado para defender a Seleção Argentina e no último jogo das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 marcou um dos gols na goleada por 3 a 0 sobre a Colômbia.
O novo reforço são-paulino desembarcará na capital paulista nesta sexta-feira (10) e no domingo (12), no Morumbi, poderá ter o primeiro contato com os torcedores. Pratto acompanhará o duelo contra a Ponte Preta, às 17 horas, em jogo válido pela segunda rodada do Campeonato Paulista. A apresentação deve acontecer no início da próxima semana.
LUCAS PRATTO
Nome completo: Lucas David Pratto
Data de nascimento: 04/06/1988 (28 anos)
Local de nascimento: La Plata-ARG
Posição: Atacante
Altura: 1m88
Peso: 90 kg
Clubes
  • 2007 – Boca Juniors (Argentina)
  • 2007/2008 – Tigre (Argentina)
  • 2008/2009 – Lyn (Noruega)
  • 2009 - Boca Juniors (Argentina)
  • 2010 – Union Santa Fé (Argentina)
  • 2010/11 – Universidad Católica (Chile)
  • 2011/12 - Genoa (Itália)
  • 2012/2014 – Vélez Sarsfield (Argentina)
  • 2015/2017 – Atlético-MG
  • 2017 - São Paulo
 Títulos
  • 2010 - Campeonato Chileno
  • 2012/13 - Campeonato Argentino
  • 2013 - Supercopa Argentina
  • 2014 - Supercopa Argentina
  • 2015 – Campeonato Mineiro
  • 2016 – Florida Cup
 Prêmios Individuais
  • Melhor jogador estrangeiro do Campeonato Chileno (2010)
  • Jogador do Ano do Vélez Sarsfield em 2013 e 2014
  • Melhor jogador do futebol argentino em 2014
  • Artilheiro do Campeonato Argentino em 2014
  • Craque do Campeonato Mineiro 2015
  • Seleção do Campeonato Mineiro 2015
  • Gol mais bonito do Campeonato Mineiro 2015
  • Bola de Prata: Seleção do Campeonato Brasileiro de 2015
  • Prêmio Craque do Brasileirão: jogador estrangeiro do ano no Brasil de 2015
  • Atacante da seleção do 54º Troféu Guará 2016


Mais notícias: 



São Paulo pode ter sua 19ª saída de jogador na temporada

|0 comentários
Matheus Queiroz: 19a negociação de saída do São Paulo perto de ser concretizada


Com até aqui, 18 negociações de saídas completadas, o São Paulo está perto de ceder Matheus Queiroz ao CRB e mais gente ainda pode ir!

Não perca a conta:

Ytalo, emprestado ao Audax

Mena, término de contrato

Matheus Reis, Bahia

Michel Bastos, rescindiu

Hudson, Cruzeiro

Maidana, São Bernardo

Banguelê, Novorizontino

Léo, emprestado Paraná

Jean Carlos, Goiás

Reinaldo, Chapecoense

Daniel, Coritiba

Kelvin, Porto

Tormena, Novorizontino

Gabriel, Ventforet Kofu

Auro, América MG

Cortez, Grêmio

Carlinhos, Internacional

Artur, Columbus Crew

Matheus Queiroz, CRB

Kal e Pedro devem ser emprestados e Robson, cedido a algum clube. Se todos saírem, podemos ter até 22 negociações.

Confirmando Jucilei neste sábado, ele seria o 6o nome reforçando o clube após Sidão, Neílton, Cícero, Nem e Pratto. O São Paulo ainda está de olho em Maxwell, do PSG. Se o clube francês liberar, o lateral esquerdo integrará o plantel em 2017.

Fonte: Blog do São Paulo

10 de fevereiro de 2017

Melhores Momentos dos Jogos do São Paulo

|0 comentários

Como ficamos devendo a você amigo tricolor que acompanha o blog, segue os melhores momentos da final da Flórida Cup quando o São Paulo foi campeão em cima do Corinthians e também os melhores momentos da primeira eliminatória da Copa do Brasil contra o Moto Club do Maranhão.



Melhores Momentos e penaltis de São Paulo x Corinthians na final da Flórida CUP:




Melhores Momentos de Moto Club x São Paulo pela copa do Brasil 2017:

São Paulo vence o Moto Club e avança na Copa do Brasil

|0 comentários
Gilberto anotou o gol da vitória tricolor no primeiro minuto de jogo (Foto: Rubens Chiri/SPFC)


O jogo – Foi preciso apenas um minuto para o São Paulo mirrar as chances do Moto Club. Após Cueva roubar a bola na esquerda, Junior Tavares cruzou rasteiro para o meio da área e encontrou Gilberto. Com uma cavadinha, o centroavante encobriu o goleiro Ruan e abriu o placar para o Tricolor.

O time de Rogério Ceni quase ampliou aos 14 minutos. Cueva invadiu a área e tocou para o meio. Neilton, que vinha de trás, bateu desequilibrado para boa defesa de Ruan. Os mandantes responderam aos 23, quando Thiago Mendes errou passe no campo de defesa e Vinícius Paquetá arriscou de longe, oferecendo perigo a Denis.

A falha, contudo, não abalou o Tricolor, que seguiu trocando passes no campo de defesa dos maranhenses. E só não chegou ao segundo gol no último lance do primeiro tempo porque Neilton parou no goleiro e no travessão em duas chances em sequência.

O Rubro-Negro de São Luís começou a etapa final ligeiramente melhor e esboçou uma pressão em cima do São Paulo, que demonstrava certo cansaço. Talvez por conta dele tenha perdido um gol incrível aos 14 minutos, com Gilberto, que recebeu livre na pequena área, mas bateu sem equilíbrio e mandou por cima.

Cinco minutos depois, foi a vez de Cícero perder boa oportunidade ao receber ótima bola enfiada pelo peruano Cueva e arrematar em cima do goleiro Ruan.

A partir de então, os paulistas passaram a apenas administrar o resultado, enquanto o Moto Club não demonstrava sinais de que poderia ameaçar a vaga tricolor. Assim, os comandados de Rogério Ceni deram ao técnico a sua primeira vitória na nova função.

FICHA TÉCNICA
MOTO CLUB 0 X 1 SÃO PAULO

Local: Estádio Castelão, em São Luís (MA)
Data: 09 de fevereiro de 2017, quinta-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Assistentes: Elicarlos Franco de Oliveira e José Carlos Oliveira dos Santos (ambos da BA)
Público: 21.402 pagantes
Renda: R$ 516.030,00
Cartão Amarelo: Wanderson, Felipe Dias e Cléber Pereira (Moto Club); Thiago Mendes, Junior Tavares e Rodrigo Caio (São Paulo)

GOLS:

SÃO PAULO: Gilberto, a 1 minuto do primeiro tempo

MOTO CLUB: Ruan; Diego Renan, Fernando Fonseca, Wanderson e Lorran; Felipe Dias, Esdras, Curuca (Tote) e Marcos Paullo; Vinícius Paquetá e Tony Galego (Cléber Pereira)
Técnico: Ruy Scarpino

SÃO PAULO: Denis; Buffarini, Maicon, Rodrigo Caio e Junior Tavares; João Schmidt e Thiago Mendes (Araruna); Neilton, Cícero e Cueva (Shaylon); Gilberto (Andres Chavez)
Técnico: Rogério Ceni

6 de fevereiro de 2017

São Paulo vai mal e estréia com derrota no Campeonato Paulista

|0 comentários
Chaves fez 2 mas defesa falha e sofre 4 gols

Na rodada de estreia do Campeonato Paulista de 2017, o Tricolor acabou derrotado pelo Grêmio Osasco Audax por 4 a 2 na tarde deste domingo (5) em duelo agitado na Arena Barueri. Após um início forte dos anfitriões, que abriram 2 a 0 no placar, o São Paulo partiu em busca do empate ainda no primeiro tempo e deixou a partida emocionante: o atacante Chavez balançou as redes duas vezes e ‘recolocou’ a equipe no confronto. No entanto, na segunda etapa, os mandantes marcaram mais duas vezes e decretaram o revés são-paulino.

Após a rodada de estreia no estadual, o Tricolor já terá a Copa do Brasil pela frente. Na próxima quinta-feira (9), às 21h30,no Estádio Governador João Castelo, o Castelão, os paulistas enfrentarão o Moto Club-MA pela primeira fase. Já pela competição regional, o time são-paulino entrará em campo novamente no próximo final de semana, diante da Ponte Preta, em duelo que marcará a estreia de Rogério Ceni no Morumbi no comando da equipe.

Para o primeiro compromisso no estadual deste ano, o treinador são-paulino utilizou a formação que foi trabalhada durante a semana no Centro de Treinamento da Barra Funda. Dessa forma, o Tricolor foi escalado com Sidão; Bruno, Maicon, Douglas e Buffarini; Rodrigo Caio, Thiago Mendes e Cueva; Wellington Nem, Chavez e Luiz Araújo.

O goleiro Renan Ribeiro aprimora a forma física após se recuperar de uma contratura na região posterior da coxa esquerda e ainda não reúne condições de jogo. Além dele, mais dois jogadores desfalcaram o São Paulo: o meia Lucas Fernandes aprimora forma física após cirurgias no joelho e no ombro, enquanto o zagueiro Lyanco está com a Seleção Brasileira Sub-20 na disputa do Sul-Americano da categoria, no Equador.

Já o adversário começou a partida com Felipe Alves; Felipe Rodrigues, André Castro e Betinho; Pedro Carmona, Léo Artur, Marquinho e Danielzinho; Hugo, Denilson e Ytalo. Quando a bola rolou, o São Paulo assustou primeiro em jogada com o jovem Luiz Araújo: aos dois minutos, o camisa 31 desarmou o rival, avançou com a bola dominada e mandou uma pancada! O goleiro Felipe Alves, porém, fez grande defesa e impediu que os visitantes largassem na frente.

Seguindo as instruções de Rogério, o time pressionava forte a saída de bola do Audax e tentava acuar os mandantes. No entanto, aos cinco minutos, os anfitriões conseguiram tirar o zero do placar com Marquinho: 1 a 0. Sem acusar o golpe, o São Paulo tentou responder e assustou com Cueva dois minutos depois, mas novamente Felipe Alves apareceu para espalmar e conter a investida são-paulina.

Aos nove, com Pedro Carmona, o Audax anotou o segundo gol na partida e complicou a vida do Tricolor na Arena Barueri: 2 a 0. Os visitantes tinham dificuldades para criar as jogadas na frente e não encontravam espaços para finalizar. Quando era atacado, o adversário se fechava com os 11 atletas atrás da bola e assim impedia que o time são-paulino conseguisse avançar. Ainda assim, o Tricolor atacava como podia. Aos 26, a equipe avançou em velocidade com Luiz Araújo e chegou à área adversária. Chavez também chegou na jogada, e a bola ficou com Felipe Alves.

Aos 27 minutos, o São Paulo sofreu o seu último ‘contratempo’ antes de reagir. Com dores musculares, Wellington Nem foi substituído pelo versátil Cícero. Experiente, o camisa 8 deu nova cara ao time e assim o Tricolor começou a reviravolta no marcador. Aos 29 minutos, Cueva recebeu pelo meio e deu lindo passe para Chavez, que recebeu entre os zagueiros e deslocou o goleiro! 2 a 1!

O gol do camisa 9 deu confiança aos visitantes, que melhoraram em campo e aproximaram os setores para acuar o Audax. Aos 36, Chavez apareceu bem de novo para deixar tudo igual e recolocar o Tricolor na partida: o centroavante se movimentou bem, evitou a marcação e bateu cruzado para empatar o confronto em Barueri: 2 a 2! Mais intenso, o time são-paulino não virou o placar ainda antes do intervalo por pouco: aos 42, Cícero cobrou falta na entrada da área e carimbou o travessão!

Na volta para a segunda etapa, contagiado pela reação no final do primeiro tempo, o Tricolor manteve a postura ofensiva e partiu em busca da virada. Nos instantes iniciais, brigador, Chavez criou duas boas oportunidades ao disputar com os defensores e finalizar com perigo. Porém, quando era superior, o São Paulo sofreu o terceiro gol do rival: aos nove, Felipe Rodrigues aproveitou cobrança de escanteio e recolocou os mandantes em vantagem: 3 a 2.

Para dar mais ofensividade ao time e mobilidade ao meio de campo, Rogério promoveu a entrada de João Schmidt na vaga de Douglas aos 18 minutos – Rodrigo Caio foi deslocado para a zaga. Pouco mais tarde, aos 22, Gilberto herdou a vaga de Chavez. E quando tentava reagir novamente, o Tricolor sofreu o quarto gol que fechou o placar na Arena Barueri: Pedro Carmona, em cobrança de pênalti aos 29 minutos, deu números finais ao confronto de estreia no Paulista de 2017.

FICHA TÉCNICA

AUDAX 4 X 2 SÃO PAULO

Local: Arena Barueri, em Barueri (SP)
Data: 5 de fevereiro de 2017, domingo
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias Araújo (SP)
Assistentes: Miguel Cataneo Ribeiro e Gustavo Rodrigues Oliveira (ambos de SP)
Público: 2.219 pagantes
Renda:
R$ 102.288,00
Cartão Amarelo:
Rodrigo Caio (São Paulo); Pedro Carmona e André Castro (Audax)

GOLS: AUDAX: Marquinho, aos 5 minutos do primeiro tempo; Pedro Carmona, aos 9 minutos do primeiro tempo, e aos 29 minutos do segundo tempo; Felipe Rodrigues, aos 9 minutos do segundo tempo
SÃO PAULO: Andres Chavez, aos 29 e 36 minutos do primeiro tempo

AUDAX: Felipe Alves; Felipe Rodrigues, André Castro e Betinho; Léo Artur e Pedro Carmona, Danielzinho e Marquinho; Hugo, Denilson e Ytalo
Técnico: Fernando Diniz

SÃO PAULO: Sidão; Bruno, Maicon, Douglas (João Schmidt) e Buffarini; Rodrigo Caio, Thiago Mendes e Cueva; Wellington Nem (Cícero), Luiz Araújo e Andres Chavez (Gilberto)
Técnico: Rogério Ceni



22 de janeiro de 2017

Tricolor bate o Corinthians e conquista a Florida Cup 2017!

|0 comentários
Sidão brilha nos pênaltis novamente, e São Paulo começa a temporada com títulos nos Estados Unidos

Que seja o início de uma nova era! Na noite deste sábado (21), com nova atuação decisiva de Sidão, o Tricolor bateu o Corinthians nos pênaltis por 4 a 3 após empate sem gols no tempo regulamentar e conquistou a Flórida Cup 2017! O troféu, erguido nos Estados Unidos, fecha a pré-temporada do clube fora do país e abre um novo horizonte na equipe comandada por Rogério Ceni: de títulos.

No Bright House Stadium, assim como fez diante do River Plate na fase anterior, o goleiro brilhou ao defender duas cobranças nas penalidades máximas. Mais do que a conquista em si, a postura aguerrida do São Paulo nas duas partidas disputadas em solo norte-americano neste período de preparação mostrou que a temporada já é especial para o clube: agora sob um novo comando, com um grupo cada vez mais unido. Nos próximos dias, a delegação retornará ao Brasil ainda mais confiante para manter este início de trajetória vencedor. No dia 5 de fevereiro, fora de casa, o Tricolor terá a estreia no Campeonato Paulista.

Para encarar o arquirrival, o técnico Rogério Ceni promoveu apenas uma alteração em relação ao time que começou a partida com o River Plate-ARG na semifinal: o estreante Douglas ocupou a vaga de Breno. Assim, com o mesmo esquema tático, o Tricolor foi escalado com Denis; Maicon, Douglas e Rodrigo Caio; Bruno, Thiago Mendes, Cueva e Buffarini; Wellington Nem, Chavez e Luiz Araújo.

Já o adversário atuou com Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Balbuena e Moisés; Gabriel, Camacho e Marquinhos Gabriel; Guilherme, Kazim e Jô. Quando a bola rolou, a equipe são-paulina logo tratou de atacar o rival e se mandou para o campo de ataque. Aos cinco minutos, Chavez invadiu a área, tentou passar por Pedro Henrique e caiu. O argentino pediu pênalti, mas a arbitragem nada assinalou e mandou o jogo seguir: os tricolores ficaram na bronca.

 Aos 14 minutos, Rodrigo Caio avançou pela lateral, rolou para a área e Luiz Araújo tocou de letra. O camisa 31 tentou acionar Buffarini pela ponta, mas a zaga corintiana conseguiu mandar a bola pela linha de fundo. Então, quando o São Paulo buscava o gol, uma confusão entre os atletas resultou nas expulsões do zagueiro Maicon e do atacante Kazim.

Para recompor o meio de campo, Rogério colocou João Schmidt no lugar de Luiz Araújo aos 25 minutos. Apesar de seguir mais tempo com a posse de bola e rondar a grande área do Corinthians com frequência, o Tricolor não conseguiu balançar as redes na primeira etapa. Os são-paulinos trocaram mais passes, tentaram abastecer Chavez na frente, mas o marcador não foi alterado nos primeiros 45 minutos de Majestoso.

Na volta para o segundo tempo, Rogério fez apenas uma única alteração: Sidão na vaga de Denis. Dessa forma, com a mesma postura, o Tricolor permaneceu mais presente no campo de ataque. Aos 11 minutos, em cobrança de falta ensaiada, Wellington Nem rolou para Bruno, que cruzou no segundo pau e encontro Cueva: o peruano testou, mas a bola desviou na zaga corintiana e saiu para escanteio. Por pouco!

Depois, com o intuito de observar melhor os jogadores e dar mais ritmo de jogo – assim como fez contra os argentinos na fase anterior -, o treinador são-paulino promoveu uma série de mudanças. Desta vez, porém, pouco a pouco. Aos 13, saíram Wellington Nem e Chavez para as entradas de Wesley e Gilberto. Mais tarde, aos 18 minutos, entraram Lucao, Júnior Tavares e Cícero nos lugares de Douglas, Bruno e Cueva.

O Corinthians tinha dificuldade na troca de passes em seu ataque e não conseguia criar as jogadas. Somente na segunda metade da etapa complementar o adversário levou perigo algumas vezes, mas parou no sistema defensivo tricolor. Aos 18 minutos, entraram Lucao, Júnior Tavares e Cícero nos lugares de Douglas, Bruno e Cueva.

Sem deixar o rival gostar da partida, o São Paulo logo retomou o controle do embate e assustou: Júnior Tavares cobrou escanteio, e Cássio quase foi surpreendido com um gol olímpico! Depois, aos 35, Buffarini fez ótimo cruzamento da direita, e Gilberto subiu de cabeça área: o centroavante testou, e a bola passou rente à trave. Assim, apesar de buscarem as finalizações, as equipes não conseguiram evitar que a decisão fosse para as penalidades máximas.

E nos pênaltis, assim como diante do River Plate, o goleiro Sidão brilhou novamente: o camisa 12 defendeu duas cobranças. João Schmidt, Cícero, Junior Tavares e Gilberto converteram, e o Tricolor venceu por 4 a 3! Muita festa dos jogadores são-paulinos, que começaram a temporada com intensidade e um título para que 2017 seja um ano vitorioso para o clube.

Que a conquista da Florida Cup seja o início de uma nova era...

20 de janeiro de 2017

São Paulo joga bem, perde muitas chances, empata e elimina o River nos Pênaltis

|0 comentários
Rogério Ceni fez sua estréia como técnico do São Paulo FC

Acabou a espera para o torcedor são-paulino. Enfim, Rogério Ceni estreou no comando do clube em uma partida oficial. E logo na sua primeira experiência à beira do campo, o ex-goleiro liderou o clube de coração no confronto frente ao River Plate, pela semifinal da Copa Flórida. No fim, depois de um empate por 0 a 0 em dois tempos bem distintos, melhor para os brasileiros, que foram melhores nas penalidades e avançaram à final do torneio de pré-temporada por 8 a 7. Com o resultado no estádio Al Lang, do Tampa Bay Rowdies, em St. Pettesburgh, o São Paulo confirmou o clássico contra o Corinthians para a grande decisão da competição norte-americana. O Majestoso está marcado para este sábado, em Orlando.

E se o torcedor estava ansioso para assistir seu ‘novo time’, essa expectativa foi bem compensada, de certa forma. Rogério Ceni mostrou que todo seu trabalho não ficou apenas na teoria. O Tricolor do Morumbi dominou completamente a equipe do River Plate nos primeiros 45 minutos. Com uma marcação alta, toques rápidos, jogadores trocando de posição o tempo todo, jogadas ensaiadas nas bolas paradas e Rodrigo Caio como uma espécie de libero, com a responsabilidade de fazer a transição entre defesa e ataque, a equipe brasileira amassou os rivais argentinos em seu campo de defesa.

Dentro desse cenário, o destaque ficou por conta de um reforço para a temporada 2017. Wellington Nem foi o jogador mais incisivo na partida. Foi ele que conseguiu a primeira grande chance de gol, logo aos dois minutos, ao sofrer pênalti em jogada individual. O atacante só não contava com atrasada de bola de Cueva para Bologna na cobrança.

A partir dai, o São Paulo criou uma chance atrás da outra, mas o velho problema da falta de pontaria, que tanto atormentou o clube na última temporada, ainda parece ser a grande dificuldade dessa equipe. Chavez teve quatro oportunidades claras, Luiz Araújo falhou de forma incrível em duas chances, Buffarini acertou a trave… Foi um gol perdido atrás do outro.

Atrás pelo menos a defesa se comportou bem. Denis, mantido como titular nesse início, só foi exigido uma vez, em finalização de média distância de Rodríguez, e também deu um pequeno susto na torcida tricolor ao errar o passe em uma saída de bola com os pés, como tanto quer Rogério Ceni.

Ao fim da primeira etapa, nada de gols, mas a sensação de que vem coisa boa por ai. Em pouco tempo, os jogadores parecem ter assimilado bem o estilo de jogo que o ex-goleiro deseja implantar. O São Paulo deixou sinais de que com um melhor entrosamento, uma escalação definida e o preparo físico em dia, o time terá condições de brigar por títulos nessa temporada.

Já na etapa complementar, Ceni buscou dar minutos e ritmo de jogo para as outras peças do elenco, além de tentar alimentar uma disputa interna por posição. Assim, com exceção de Buffarini, todos foram sacados. Entraram: Sidão, Lugano, Lucão, Júnior, João Schmidt, Wellington, Wesley, Cícero, Neilton e Gilberto. Com dez minutos, foi a vez de Foguete entrar no lugar do lateral argentino, e aos 32, Shaylon tomou a vaga de Neilton. O jovem Araruna também foi para o jogo, mas só aos 41, no lugar de Wellington.

Com essa nova formação, o São Paulo foi bem diferente. Não conseguiu manter a mesma pegada, sofreu com a falta de criatividade e animou o River Plate, que manteve seus principais jogadores em campo. Aos 32 veio o maior susto. Gol dos argentinos, mas, bem anulado por causa de um impedimento. Os comandados de Rogério Ceni sofreram com uma pressão dos argentinos nos minutos finais. Nos acréscimos, o River ainda acertou o travessão, mas os paulistas seguraram o empate sem gols. Assim, conforme o regulamento da Copa Flórida, as duas equipes foram para as disputas de pênaltis.

E na marca da cal, o São Paulo despachou o River Plate depois de 18 cobranças. Sidão defendeu a primeira cobrança, feita por Martínez, e a última, de Moya. Pelo Tricolor, apenas Wesley perdeu ao chutar para fora. João Schmidt, Cícero, Shaylon, Gilberto, Júnior, Araruna, Lugano e Lucão converteram suas cobranças e decretaram a vitória por 8 a 7.

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 0 (8) X (7) 0 RIVER PLATE (ARG)

Local: Estádio Al Lang, em São Petersburgo (EUA)
Data: 19 de janeiro de 2017, quinta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Arbitragem: não divulgada pela organização
Cartões amarelos: RIVER PLATE: Iván Rossi e Alario.

SÃO PAULO: Denis (Sidão); Maicon (Lugano), Breno (João Schmidt) e Rodrigo Caio (Lucão); Thiago Mendes (Wellington) (Araruna), Bruno (Júnior Tavares), Buffarini (Foguete) e Cueva (Cícero); Wellington Nem (Neilton) (Shaylon), Luiz Araújo (Wesley) e Chavez (Gilberto)
Técnico: Rogério Ceni

RIVER PLATE (ARG): Bologna; Mina, Montiel e Medina; Domingo (Arzura), Mayada, Rossi (Moya) e Rodríguez (Fernández); Mora, Andrade (Pity) e Alonso (Alario) (Driussi).
Técnico: Marcelo Gallardo

27 de dezembro de 2016

Mercado da bola

|0 comentários
Um resumo de tudo o que agita os bastidores do São Paulo FC.

Caros amigos, passado o natal e aguardando a virada do ano para 2017, arrumei um tempo para falar sobre o mercado da bola, tudo o que movimenta o São Paulo Futebol Clube.

CONTRATAÇÃO

Cícero deve ser o 4º reforço do São Paulo para 2017, o meia / volante, foi pedido por Rogério Ceni devido a sua versatilidade e por chegar bem ao ataque. As notícias são que o São Paulo pagará R$ 250 mil de salários ao atleta e o Fluminense pagará o restante. Wellington que era pretendido pelos cariocas, ao que parece, não será incluído no negócio.

Ceni vem montando seu time de forma a ter atletas que façam gols, tenham bom toque de bola e que tenham perfil ofensivo. Cícero deverá se juntar a Sidão, Wellington Nem e Neílton.

DISPENSAS

Já estão acertadas as saídas de Kelvin, Ytalo, Léo e Carlinhos, que não farão parte do elenco para 2017. A estes se juntou Michel Bastos, que rescindiu o contrato com o São Paulo amigavelmente. O atleta está livre para assinar com qualquer clube.

Jean Carlos deve sair também, já está tudo alinhado com o Goiás que pagará ao São Paulo a mesma quantia que o tricolor pagou ao São Bernardo.

Mena dificilmente continuará no tricolor, uma vez que o Cruzeiro não abre mão de receber algum valor para liberar o lateral, e o Inter já aparece como interessado no lateral.

João Schmidt também deve sair no meio do ano, o volante recusou a proposta de renovação e deverá ir para o Atalanta.

OPÇÕES

Com poucas opções para a posição de volante, Rogério Ceni começa a buscar opções dentro do elenco. Lucão que já atuou como primeiro volante sob o comando de Osório será observado, Ceni inclusive vetou a saída do atleta por empréstimo para o Vitória.

Breno que aprimora a forma física, após passar por cirurgia, é outra opção para atuar também como primeiro volante.

ESPECULAÇÕES

No plano das especulações, surgiu nestes dias o nome de Bruno Henrique, que segundo o jornal italiano Gazzetta Dello Sport, foi sondado pelo São Paulo. O atleta do Palermo (ITA) pode receber uma proposta do São Paulo nos próximos dias. Bruno Henrique tem 27 anos, 1,80 de altura e atua principalmente de primeiro volante. Atenderia as pretensões de Rogério Ceni para o setor.

Outros nomes especulados nos últimos dias para a posição foram Junior Urso, Felipe Melo e Jucilei mas nenhum se confirmou.

Outra posição carente desde a saída de Paulo Henrique Ganso é o meio de campo.  Ricardo Goulart do Guangzhou Evergrande da China foi especulado, mas seu passe custa certa de R$ 102 milhões, o que obviamente inviabiliza qualquer negociação.

Nenê hoje no Vasco já manifestou interesse em mudar para São Paulo por motivos familiares, e há o interesse do São Paulo no meia, mas o que trava a negociação é o fato de que o Vasco não abre mão da multa contratual.

Hoje aliás surgiu uma notícia, ainda não confirmada de que o São Paulo estaria interessado em Douglas, meia do Grêmio de 34 anos que foi muito bem em 2016. Rogério Ceni pediu a contratação de Douglas para comandar o meio-campo, mas a negociação só para não contrariar é complicada.

Enfim a busca pelo camisa 9 segue, o nome da vez continua sendo Colmán que custa cerca de R$ 3,8 milhões. O impasse na negociação surgiu na forma de pagamento.   Sem dinheiro em caixa, o São Paulo propôs pagar 50% do valor à vista e os 50% restante parcelado. O time paraguaio Nacional recusou esta oferta. Mas com o reforço de caixa vindo da venda de Oscar para a China, cerca de 5 milhões, a diretoria deve retomar a negociação.

A BASE

O que temos de certo mesmo é que a base deve ser observada e mais aproveitada. A solução para a lateral esquerda vem do time sub-20, o jovem Junior, que está sendo contratado junto ao Grêmio por 500 mil. O atleta foi observado e agradou ao técnico Rogério Ceni. Ele foi titular durante toda a temporada na equipe de André Jardine. Participando das conquistas da Libertadores, da Copa Ouro, da Copa do Brasil, do Paulistão e da Copa RS.

Outro que será contratado em definitivo é o meia Shaylon, que hoje pertence a Chapecoense. O jogador, de 19 anos, está emprestado até o dia 31 de janeiro de 2017 e é uma das estrelas das categorias de base. Para contar com o jogador por mais três anos e adquirir 50% dos direitos do armador, o Tricolor deve desembolsar R$ 500 mil. A Chapecoense pode também envolver outros jogadores na negociação. Vagner Mancini, técnico da Chapecoense, mostrou interesse em contar com o meia Daniel.

Aliás esta geração já é considerada a mais promissora da base do São Paulo. Já está certo que os garotos do sub-20 que estouraram a idade serão todos promovidos ao profissional. Os garotos Foguete, Tormena, Kal, Araruna, Gabriel além do já citado Júnior, participarão da pré temporada e serão observados por Rogério Ceni.

Após este primeiro mês eles terão seu futuro definido, saberemos aqueles que serão aproveitados e os que serão emprestados.

Enfim pode vir também da base a solução para o meio de campo, O talentoso meia Lucas Fernandes está em etapa final de recuperação e deverá estar a disposição no início de 2017.


Saudações Tricolores e um Feliz 2017 a todos!!!


Pesquisa mostra São Paulo como 3ª maior torcida do país.

|0 comentários
Somos mais de15 milhões de São Paulinos em todo Brasil

Uma pesquisa inédita em território nacional mostrou, neste fim de ano, novos números sobre a popularidade dos times do Brasil. O Flamengo aparece mais uma vez como o mais popular, levando a melhor em três regiões: nordeste, norte e centro-oeste. No sudeste, no entanto, o Corinthians sai na frente. Os números foram feitos pela ''Paraná Pesquisas'', com a participação de 10.500 brasileiros de 22 estados, além do Distrito Federal. Os dados foram publicados pelo colunista Lauro Jardim do jornal ''O Globo''.

Os números coletados mostram também que, na região sul, o Flamengo é o quatro com maior torcida. Os cariocas ficam atrás de Grêmio, Internacional e também do Corinthians. Em um âmbito geral, o Flamengo segue aparecendo com maior torcida, seguido por Timão e do São Paulo. Segundo o ''O Globo'' um que chamou atenção é o percentual de torcedores que declararam não torcer ou simpatizar por time algum: 19,5%.

Veja a relação:

Flamengo (16,2%)

Corinthians (13,7%)

São Paulo (7,4%)

Palmeiras (5,8%)

Vasco (4,6%)

Cruzeiro (4%)

Grêmio (3,5%)

Santos (3,1%)

Atlético Mineiro (2,8%)

Internacional (2,7%)

Bahia (2%)

Botafogo (1,7%)

Fluminense (1,6%)

Sport (1,3%)

Ceará (1,1%)

Atlético Paranaense (0,8%)

Fortaleza (0,8%)

Vitória (0,8%)

Coritiba (0,7%)

Santa Cruz (0,7%)

Outros times citados (5,1%)

22 de dezembro de 2016

São Paulo acerta com Neilton para 2017

|0 comentários
São Paulo define contratação do atacante, destaque do Botafogo em 2016, que chega em troca envolvendo Hudson

Cobiçado por muitos clubes e um dos principais nomes do futebol brasileiro na temporada, o atacante Neilton é o mais novo reforço do São Paulo. Destaque do Botafogo e um dos trunfos da equipe carioca na campanha que garantiu uma vaga na próxima edição da Copa Libertadores da América, o jogador chega ao Tricolor por empréstimo até o final de 2017.

Para reforçar a equipe e dar ainda mais opções para o técnico Rogério Ceni, o São Paulo acertou com o Cruzeiro, dono dos direitos federativos e econômicos do atleta, uma troca envolvendo o novo atacante tricolor e o volante Hudson, que seguirá para Belo Horizonte para defender o clube mineiro na próxima temporada. Ao final deste período, os clubes têm opção de compra.

Neilton será apresentado e vestirá a camisa são-paulina pela primeira vez no início de janeiro.

CARREIRA

O atacante começou a despontar no cenário nacional ainda nas categorias de base do Santos, clube pelo qual foi revelado. Muitas vezes comparado a Neymar por seu estilo de jogo, Neilton brilhou especialmente na edição de 2013 da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Na semifinal, contra o Palmeiras, marcou os três gols da vitória por 3 a 2 e na decisão contra o Goiás fez um no triunfo por 3 a 1, garantindo a conquista do clube praiano após 19 anos.

Promovido para o time principal, Neilton teve algumas oportunidades e aproveitou, mas sem acordo de renovação, deixou o Santos após cinco anos e seguiu para o Cruzeiro no meio de 2014. Em sua primeira temporada pelo clube mineiro conquistou seu título mais importante da carreira: o Campeonato Brasileiro.

No ano seguinte acabou não tendo a sequência de jogos que gostaria e acabou emprestado para o Botafogo. Rapidamente se adaptou ao clube e foi uma peça importante na conquista do título do Campeonato Brasileiro da Série B e consequentemente o acesso para a primeira divisão nacional.

Mesmo com outras propostas, optou por seguir no Glorioso e teve em 2016 um ano ainda mais especial. Se consolidou como um dos principais nomes do Botafogo na temporada, conquistou ainda mais o carinho e a idolatria da torcida e ajudou o clube carioca a conquistar uma vaga na Copa Libertadores da América de 2017. Ao todo, Neilton fez 72 partidas pelo clube carioca, marcando 18 gols.

NEILTON

Nome completo: Neilton Meira Mestzk
Local de nascimento: Nanuque-MG
Data de nascimento: 17/02/1994 (22 anos)
Posição: atacante
Altura: 1m66
Peso: 61kg

Clubes: Santos (2008-14), Cruzeiro (14-15), Botafogo (15-16) e São Paulo (desde 2017)

Títulos: Campeonato Paulista Sub-15 (2009), Campeonato Paulista Sub-17 (2010), Campeonato Paulista Sub-20 (2012), Copa São Paulo de Futebol Júnior (2013), Copa do Brasil Sub-20 (2013), Campeonato Brasileiro (2014) e Campeonato Brasileiro Série B (2015)